sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

CONSCIENCIA

PESQUISA E TURISMO CONSCIÊNCIA Maio/2011 _______________________________________________ URANDIR FERNANDES DE OLIVEIRA Módulo I – Crenças e Paradigmas Módulo II - Ego Módulo III – Consciência e O Poder do Presente Módulo IV – Evolução Pessoal & Mentalidade de Liderança Módulo I – CRENÇAS E PARADIGMAS Nosso Primeiro Maior Desafio: A CRENÇA Desde nossa infância, as instruções e os conhecimentos básicos sobre grandes verdades sobre o potencial humano, foram excluídos de nossa educação de base. Atualmente já estamos descobrindo, por exemplo, que nossa alimentação, especialmente nas últimas décadas, foi criada e transformada de uma maneira que degenera e prejudica a nossa saúde, atrofiando o nosso raciocínio, ocasionando uma saturação de toxinas em nosso organismo e colaborando para impedir assim, o desenvolvimento de grandes capacidades dormentes na mente humana. Por isso tanta ênfase de nossos parceiros em nos fazer mudar nossos hábitos alimentares atualmente. Ao longo de nossa existência, passamos por inúmeras circunstâncias que nos exigem atitude, força de vontade e obstinação. Na verdade, toda a experiência na terceira dimensão tem como regra, a execução de tudo o que se aprende. É a condição fundamental para nossa evolução. Somente na atualidade, o assunto sobre a existência de um campo eletro-magnético ou energético, diretamente ligado ao corpo humano, porém invisível ao olho nú tem sido abordado e disseminado para uma educação maior da população, principalmente pelo advento e acesso da internet. A realidade da presença desse campo eletro-magnético, ou energético, é um fato , já cientificamente comprovado e é diretamente responsável por importantes estímulos para que possamos viver de forma saudável, equilibrada e conscientemente sábia. Uma de nossas poderosas habilidades em potencial é a de exercer controle sobre os nossos pensamentos, conseqüentemente sobre a manifestação de nossos desejos e, portanto, uma participação consciente na criação de nossa realidade. Porém isso nunca nos foi revelado como algo real. Já estamos passando da hora em que é necessário libertar nossos sentidos da escravidão de nossas crenças e paradigmas ultrapassadas e errôneas, segundo a luz de comprovações sobre quem realmente somos e as infinitas possibilidades de nosso potencial, como participantes co-criadores de nossa realidade. Esse tem sido um dos temas mais abordados por nossos parceiros e pelo Urandir, mas parece que não entendemos como colocar em prática essa “nova” realidade em nosso dia a dia. Para que tenhamos sucesso naquilo que realmente viemos fazer, é essencial colocarmos em prática tudo o que é necessário ser feito. O segredo do sucesso não é complexo. Baseia-se em fazer o que PRECISA ser feito para se chegar onde queremos. Essa é uma regra aplicável a qualquer compromisso profissional a que nos dedicamos a todos os desafios nos relacionamentos sociais e afetivos em que nos envolvemos e em toda a busca por nossos objetivos. É simples, porém exige, discernimento, força de vontade e atitude. Vamos à fórmula: Primeiramente, para entendermos como funciona o caminho do sucesso em qualquer área desejada e para aplicarmos esse conhecimento em nossa missão, devemos priorizar o entendimento de quais são nossas CRENÇAS, como surgiram e como devem ser transformadas, para gerarem PENSAMENTOS, com o objetivo único e exclusivo de atingirmos nossos objetivos. Por isso, pra começar, vamos fazer algumas perguntas: Será que tudo o que você já ouviu no Projeto e que considera fantástico e fundamental ao seu desenvolvimento mental e extrafísico, é executado integralmente por você? Será que todos os sábios pensamentos que você já ouviu ao longo de sua vida, são claramente aplicados em seu modo de viver? Será que sua personalidade reflete claramente, os conselhos que você ouviu ao longo da vida? Todos os princípios que você considera como dignos, honestos e nobres são praticados constantemente em seu cotidiano? É difícil praticar, não é? Nossa realidade tem tantos “percalços”, que nós só conseguimos executar uma quantidade irrisória de tudo o que sabemos ser necessário. Por isso, A grande pergunta que devemos fazer é: “O Quanto EU SOU de tudo o que realmente SEI?” 50%, 60%, 100%? A resposta pode surpreendê-lo(a). Analisando o Dia a Dia Quantas vezes, nas mais distintas situações, você deixou de adotar a postura que julgava mais adequada para solucionar um problema, mesmo sabendo qual era o caminho correto? Quantos compromissos você estabeleceu e não os executou, mesmo sabendo como? Se sua resposta às últimas duas perguntas for “algumas vezes”, ou “ nenhuma vez” ou, “nunca”, vamos tentar analisar isso: Por exemplo, podemos assistir a uma palestra sobre auto desenvolvimento, que nos leve a refletir e a sentir a realidade consciencial que deveríamos adotar no mundo e de tudo que está ligado à Transição Planetária. Porém, podemos fazer algo com esse vasto conhecimento, OU NÃO, certo? Em sua vida cotidiana, em pelo menos algum aspecto, você já teve a sensação de estar “dirigindo com o freio de mão puxado?” E quando se sentiu assim, culpou uma situação externa ou alguém pela causa de seus problemas? Se já passou por essa circunstância e teve a postura citada acima, parabéns, você é um ser humano normal. Essa postura só existe porque não sabemos que 99% daquele freio de mão, está dentro de nossa própria mente. Nós o colocamos lá dentro. E temos que tirar. A não ser que estejamos completamente satisfeitos em TODAS as áreas de nossa vida. É muito desagradável sabermos o caminho correto para nós em determinada situação, mas não conseguirmos sequer começar a trilhá-lo. Muitas vezes sabemos por que estamos errando, ou não obtendo êxito em algum objetivo, só que não temos força de começar a mudar. Já se perguntou por que isso acontece? Vivemos num período crucial da história humana em que as transformações estão a cada dia mais intensas, o Mundo já está mudando vibratoriamente, mentalmente e fisicamente. O que não podemos fazer é prorrogar o marasmo histórico da raça humana, achar que está tudo bem, traduzindo exatamente o que Raul Seixas fala em “Ouro de Tolo”: “ Eu é que não fico aqui sentado no trono de um apartamento, com a boca escancarada cheia de dentes, esperando a morte chegar”. É na verdade muito mais cômodo e fácil viver dessa forma. A maioria das pessoas é exatamente assim. O problema é que muitos de nós vivemos assim e trazemos essa postura para o Projeto Portal. E por quê fazemos isso? Nosso Objetivo Principal O objetivo aqui não é passar informações sobre, por exemplo, o que Governo Oculto do Mundo está fazendo em seu plano minucioso para a escravidão global, nem tampouco, temos o objetivo de falar sobre as frequências ou os compromissos das amazonas, lilith, divindades, semi-deuses... Muito menos comentar sobre os mais variados tipos de compromissos passados por nossos parceiros. O que se percebe, é que de nada adianta adquirirmos informações sobre tudo isso no Projeto Portal, relacionadas a diversas áreas de conhecimento, seja sobre ciências paralelas, ou ciências exatas e naturais (como Astronomia, Matemática, Física Quântica, Química, Geografia, Biologia); ou no que se refere ás ciências sociais (como Psicologia, Antropologia, Arqueologia, História e Sociologia), SE depois não fizermos nada com esses conhecimentos. E obviamente, nós sempre podemos escolher fazer algo sobre o que aprendemos, ou não. Também é explícito que o dimensional pode adquirir os conhecimentos mais profundos sobre a existência humana e não saber onde, ou como aplicar essas informações. Podemos ter tido uma conversação, com um parceiro de 9° dimensão e o mesmo nos passar informações precisas sobre nossa vida, sobre nosso rumo e o da humanidade, mas isso não significa que vamos realmente fazer algo com essas informações. E é o que acontece em muitos casos. Eles podem nos alertar em vários trabalhos que sentimos raiva, inveja, ciúmes, etc...mas muitas vezes, nós não temos nem a capacidade de nos auto-analisar, e de identificar ou admitir se esses sentimentos existem em nós mesmos, muito menos então de mudá-los. Em todas as conversações, nossos parceiros nos falam sobre mais amor, união, harmonia, compreensão, etc. Nós podemos ouvir tudo isso e querer mudar, mas por quê não mudamos? É nesse sentido, que o tema desta apostila é exclusivo aos participantes ativos do Projeto Portal. E nós pretendemos entender o que leva o indivíduo a fazer, ou principalmente, a não fazer, todas as coisas que ele sabe que PRECISA fazer. ATITUDE: “Garra, Determinação e Rapidez” LEI CAUSA E EFEITO Para fazer o que precisa ser feito, precisamos de uma resposta apenas: ATITUDE. A palavra “ATITUDE” está associada a uma Lei Universal sob a qual todos os seres vivos se encaixam: é a “Lei Causa e Efeito”. Não podemos querer colher aquilo que não plantamos. Essa idéia é tão simples que nem percebemos sua importância em nosso desenvolvimento pessoal. Acabamos não percebendo quantas vezes esperamos um resultado diferente, tendo as mesmas atitudes de sempre. Existe um princípio fundamental, é inclusive muito abordado por pessoas que ensinam a “fórmula do sucesso” em empresas e livros, que se chama “conceito da insanidade”. Consiste exatamente em “continuar fazendo sempre as mesmas coisas, esperando um resultado diferente”. É um dos nossos grandes problemas existenciais. Em várias situações, basicamente nós somos completamente insanos! Vejamos um exemplo, qual é o efeito para a pessoa que come muito? Barriga, ou sobrepeso, certo? Com a exceção relacionada a doenças, será que a pessoa que está com sobrepeso, não sabe por que engordou? Se ela come muito, ela sabe, não é? E aquele que não passou no vestibular? Provavelmente foi porque não estudou o suficiente, não é? Se quisermos mudar os EFEITOS, ou seja, as CONSEQUÊNCIAS, temos que mudar as CAUSAS, ou seja, nossas ATITUDES. A força de um pensamento cria uma freqüência de igual ressonância, que se expande e atrai o que for semelhante, assunto abordado detalhadamente no documentário “Quem somos nós?”. Isso significa que atraímos átomos, pessoas, partículas (e por consequência experiências) que vibram na mesma frequência eletromagnética de nosso ser, de nossos átomos. Seguindo este princípio, percebe-se que além da necessidade de adquirirmos conhecimento, também se evidencia a importância de uma alimentação equilibrada e a prática de exercícios físicos, o que é fundamental ao nosso trabalho de Evolução Pessoal e maior Desenvolvimento Mental. Isso tudo definitivamente influi em nossa vibração eletromagnética, em nossa aceleração de partículas e, quanto mais acelerados nos tornamos física e mentalmente, mais aguçadas se tornarão nossas percepções e mais claros os nossos pensamentos. Como consequência, chegaremos a um grau de consciência maior e condizente a atrair os objetivos da realidade que desejamos. Em outras palavras, se começarmos a adotar essa nova postura, podemos renascer de si mesmos, passando a mapear nossos desafios, mas sem nos incorporar neles, nos libertando dos valores decaídos e ignorantes sobre nosso real potencial. Atingir esse grau de criação em nossa realidade, pode ser chamado como existência em Supra-Consciência, que é o objetivo da transmutação. Vale lembrar que, uma grande parte do trabalho que teremos que fazer para chegar à Supra-Consciência, ou conexão com nosso Eu-Superior, são os exercícios com o Silêncio da Natureza e Deuses da Natureza, pois na sublimação do silêncio é que acabamos com a tormenta do ego e encontramos as respostas para concretizarmos nossas Linhas da Vida. Isso é feito através de um trabalho de alquimia transmutativa, o que nos levará a incorporar essa nova realidade em nosso cérebro. No livro “Os segredos da mente milionária”, o autor T. Harv Eker nos dá um exemplo claro e simples de como a “Lei Causa e Efeito” atua em nossa vida: “Suponha que você tenha acabado de escrever uma carta no computador. Você aperta a tecla "imprimir" e a carta aparece na impressora. Em seguida, você examina a página e encontra um erro de digitação. Ao invés de entrar no programa e consertar o erro lá na digitação, redigitando a palavra corretamente, vamos supor que você tenta encontrar o problema na impressora e corrigir a impressão errônea nela mesma. Isso seria um equívoco, certo? Não importa o que você faça na impressora, toda vez que for imprimir esse documento, o mesmo erro estará lá.” O que acontece em nossas vidas também é assim. O problema não pode ser corrigido na "impressão", ou seja, no mundo físico, mas apenas no "programa", nos mundos mental, emocional e extrafísico. “Quaisquer que sejam os seus resultados - abundantes ou escassos, bons ou maus, positivos ou negativos -, lembre-se sempre de que o seu mundo exterior é apenas um reflexo do seu mundo interior. Se as coisas não vão bem em sua vida exterior, é porque não estão indo bem em sua vida interior. É simples assim”. O que dá errado, não é culpa dos outros ou de alguma circunstância, é apenas uma expressão da ausência ou da presença de RESPONSABILIDADE e ATITUDE de sua parte. Repare por quantas vezes algo aconteceu de negativo e você colocou a culpa, ou em algum contexto ou em alguém. Estamos habituados a atribuir nossos resultados negativos a alguma situação que nos libere da própria culpa, afinal isso é muito mais fácil e conveniente. Exemplos: “ Estou mal financeiramente, a culpa é desse governo Lula!” “Meu casamento/relacionamento é que me faz infeliz.” (parceiro/a) “ Fulano de tal me irrita demais!”. Perceba que, “Riqueza é resultado, pobreza é resultado, saúde é resultado, doença é resultado, nosso peso é resultado, a felicidade é resultado . Vivemos num mundo de causa e efeito” Da mesma maneira que os elementos acima, nosso estado emocional e psíquico neste momento também é um resultado. Para nós, esse princípio pode parecer muito elementar à primeira vista. O Que Vem Antes da ATITUDE? É interessante percebermos que antes da ATITUDE, ou seja, da Causa, existe uma coisa muito mais profunda, existe algo em nossa mente que nos leva a fazer ou a não fazer tudo. É disso que vamos tratar agora. A forma pela qual vemos e experimentamos o mundo é guiada pelas atitudes ( causas/ações) e os resultados (efeitos/consequências) das mesmas. É baseado nos resultados, em qualquer nível, que nos guiamos, definimos nossa personalidade e nossa postura de vida. O problema maior é que a maioria esmagadora de nós, dá atenção apenas aos resultados e vive esperando algo diferente acontecer, sem ter feito nada para mudar os resultados. Início do Processo Cognitivo Para entendermos o porquê de determinado resultado, temos que entender primeiro como pensamos e por que pensamos de tal maneira. A partir do momento que começamos a entender como acontece o início de nosso aprendizado sobre tudo o que sabemos na vida, como se determina a nossa personalidade e iniciamos nosso processo cognitivo, tudo fica mais claro. Ou seja: como formamos toda a nossa visão de vida sobre o mundo em que existimos? Tudo começa a partir de uma palavra: INFORMAÇÃO O que é INFORMAÇÃO? INFORMAÇÃO é tudo o que ouvimos, sentimos, ingerimos, cheiramos, e vemos. Ou seja, a informação está relacionada aos sentidos físicos. Tudo o que você vê ou não vê é informação Tudo o que você sente ou não sente, é informação Tudo que você cheira é informação Um exemplo, se você sente um cheiro agradável ao passar por um restaurante, isso é informação. Se é desagradável, também é informação. Se ouve um som agudo, você passa a ter uma informação. Se for um som grave, a mesma coisa. Todas as informações relacionadas aos sentidos físicos e que são conhecidas tradicionalmente, são adquiridas na infância. É quando aprendemos, por exemplo, o que é mau cheiro e bom cheiro, quente ou frio, agudo ou grave, alto e baixo... É na infância que vamos organizando essas informações em nossa mente e criamos REGRAS a partir delas. Essas regras são as chamadas CRENÇAS. Tudo isso é elementar a princípio. Mas a coisa começa a ficar mais interessante quando associamos isso ao que aprendemos desde nossos primeiros lampejos de consciência no Mundo. A partir da INFORMAÇÃO ou das CRENÇAS, existe um ciclo obrigatório pelo qual passamos, uma espécie de script comportamental que seguimos implacavelmente em nossa vida. Ele se resume a partir desse esquema: Informações conduzem a Pensamentos Pensamentos conduzem a Sentimentos. Sentimentos conduzem a Atitudes Atitudes (Causas) conduzem a Resultados (Efeitos) Perceba que antes das causas, existe todo um processo dentro de nosso cérebro, que nos leva a ter a atitude de fazer algo ou não. É por isso que não adianta ouvirmos nossos parceiros constantemente nos dizerem que precisamos ter mais ação, se não entendermos primeiro o porquê de não agirmos como deveríamos e, como é bem comum de se notar no grupo, ao invés disso, nos preocuparmos com “porque o outro não está fazendo isso ou aquilo?”. Então, para entendermos como funciona o nosso processo, vamos imaginar uma situação: Suponhamos que uma menina esteja brincando com uma boneca, ela a coloca na mesa, vira as costas e, quando retorna, a boneca não está mais lá. Este fato é uma INFORMAÇÃO. Esta informação comunica ao seu cérebro algo do tipo: “ a boneca desapareceu”. A partir dessa informação, é claro que existe um processo posterior. É a 2° etapa: é exatamente um PENSAMENTO: “ O que será que aconteceu com a boneca?”. “Nossos PENSAMENTOS têm origem nos arquivos de INFORMAÇÃO armazenados em nossa mente. Mas de onde parte essa INFORMAÇÃO? De nossa programação passada. Nosso condicionamento determina todos os pensamentos que surgem em nossa mente. É por isso que ela costuma ser chamada de “mente condicionada”. T. Harv Eker A terceira etapa é o SENTIMENTO e, dependendo da forma com a qual a menina lida com a perda, pode ser um sentimento negativo como, raiva, angústia, ansiedade, medo, etc., positivo ou neutro, como passividade, paciência, compreensão, neutralidade. A 4° etapa é a AÇÃO (CAUSA), e também é conseqüência de como ela lida com a situação. Qualquer tipo de ação que ela tomar será baseado em suas crenças. Um exemplo, se ela manifestar ansiedade, vai procurar a boneca de forma desenfreada; sentir raiva, talvez isso a cegue a ponto de nem enxergar a boneca à sua frente, mas se tiver tranquilidade, vai cautelosamente procurar, e assim segue, dependendo da dinâmica... Por último, a ação leva a um RESULTADO ou EFEITO que, exclusivamente, depende dessa atitude ou causa. Contudo, percebe-se que, não partindo diretamente da atitude, existe todo um processo que nos leva a fazer ou a não fazer algo. São as coisas nas quais acreditamos, o nosso sistema de crenças. Uma coisa interessante é que como isso é um ciclo, o resultado (EFEITO) torna-se sempre uma nova INFORMAÇÃO. E sendo assim reforçamos, ou não, uma determinada crença. A Função das Crenças A função única e exclusiva da crença é a de se perpetuar. E pelo que se percebe, ela pode ser positiva ou negativa. Vamos entender os efeitos de algumas crenças em nossa postura diária. Existem pessoas que acreditam que ser pobre é algo nobre. E que o riqueza não é sinônimo de dignidade. Talvez, as pessoas que pensam dessa maneira tenham ouvido quando criança de seus pais, ou de alguém muito influente em sua vida, as seguintes frases: “O que vem fácil vai fácil”. Ou, “ dinheiro não dá em árvore”, Ou, “mais fácil um camelo passar por um buraco de agulha do que um homem rico entrar no reino do céu”.... Se você ouvia essas frases, como qualquer outra criança, é impossível com pouca idade questionar ou rebater as informações de seus pais. Você vai absorver essas crenças e vai adaptar isso em sua estrutura psicológica. Contudo, se pararmos pra analisar, ser rico não significa falta de moral, ou dignidade. Assim como uma corda, que pode ser usada tanto para salvar alguém de um penhasco como para enforcar uma pessoa, o dinheiro, intrinsecamente, não é positivo nem negativo, mas neutro. Trata-se de um instrumento que, quando bem utilizado, pode servir de caminho para a evolução. “O dinheiro só faz da pessoa, mais daquilo que ela já é.” Porque se ela tem boas intenções, o dinheiro lhe dará poder para magnificar sua bondade... e vice-versa. É verdade que a pessoa rica “não entrará no reino do céu” com seu dinheiro, até porque toda a matéria será deixada aqui na 3ª dimensão, mas não é verdade que toda pessoa rica não evoluirá. O que pode ocorrer com o indivíduo que tem essa crença, é que quando atinge a idade adulta e ganha dinheiro, subconscientemente, ele cria uma situação para que perca esse dinheiro, porque isso já está cristalizado em sua mentalidade. E a maioria das pessoas repete essa idéia durante toda a vida. Vamos a outro exemplo: talvez, quando um garoto tenha ficado doente e seus pais tenham repetido seguidamente a frase: “ veja só como ele é tão fraquinho, não é? Já com tão pouca idade e ficou doente assim”. Como esse menino absorve isso? Em forma de crença. Ele passa a acreditar sem discussões que é demasiadamente frágil para doenças. Quando chega a fase adulta e fica doente o que ele conclui? “Olha só como sou fraco para doenças!!” e acaba reforçando essa crença. Por isso, a pessoa que acredita firmemente que é fraca, acaba tendo PENSAMENTOS que a levam a isso. Que por sua vez, levam a sentimentos que se perpetuam , e no final tem a ATITUDE ou postura fraca, que a levam a um RESULTADO/ EFEITO sempre doentio. O Ciclo das Crenças As crenças funcionam em ciclos. São ciclos viciosos que só conseguem se perpetuar porque é cômodo permanecer em determinados estados mentais. O ócio existencial é a coisa mais comum da 3ª dimensão. É muito mais “seguro” permanecermos na “zona de conforto” criada por nós mesmos. E quando nós não percebemos que isso é uma crença que nos limita, a levamos pro resto da vida. A crença de que somos fracos e de que ser pobre é algo nobre, é algo criteriosamente colocado em nossa mente, principalmente por intermédio dos meios de comunicação em massa como mídia, filmes, etc., e cujo objetivo principal é manter as pessoas dependentes e manipuláveis por aqueles que estão no controle. Quanto mais pessoas fracas, melhor para as lideranças mundiais. Com isto em mente, temos que fazer uma reprogramação mental. E a pergunta que devemos fazer é: “quais são as crenças que eu tenho e que são prejudiciais a mim”? As Crenças de Identidade As crenças mais prejudiciais são as de IDENTIDADE. Ou seja, as de “ Eu sou assim”. Aquelas nas quais acreditamos fielmente que somos de “tal jeito” e não podemos mudar. Exemplos: “ Eu sou ansioso” - e todas as atitudes nos levam a agirmos com ansiedade “ Eu sou orgulhoso” – e todas as atitudes nos levam a agirmos com orgulhoso “ Eu sou preguiçoso” – e todas as atitudes nos levam a agirmos com preguiça “ Eu sou fraco para doenças” - e nossa postura nos leva a ficarmos doentes “ Eu sou tímido” – e todas as atitudes nos levam a agirmos com timidez “ Eu tenho o pavio curto” – e todas as atitudes nos levam a agirmos com impaciência Outras crenças: “Eu só consigo fazer (algo) deste jeito” – E dificilmente conseguirá fazer (esse algo) de outra maneira. “Deus é um ser extrínseco à natureza humana” – quando somos todos semi-deuses. “Extraterrestres podem até existir, mas são maus” – isso pode até levar a sonhos de abduções. “Quando eu tiver um encontro com um ET, vou acreditar” - temos que crer para ver e não o contrário. “ Urandir tem que me passar tudo sobre o que tenho que fazer” - isso deposita a responsabilidade em algo ou alguém exterior a nós mesmos para a solução de nossos problemas. “ Se Deus quiser, vou conseguir” – é claro que ele sempre quer. Basta sabermos querer e fazer acontecer. “A conversação com nossos parceiros é a coisa mais importante que existe no PP “ - Urandir sempre nos fala que o maior contato, é consigo mesmo. Portanto, quando você passa por uma situação na qual manifesta o orgulho, a timidez ou a fragilidade para doenças, o que costumamos subentender de tudo? “ Tá vendo, olha como eu sou assim mesmo!”, e de forma viciada, perpetuamos o ciclo das crenças negativas . Perceba que nós somos movidos por nossas crenças. Não fazemos nada que não seja por meio daquilo que acreditamos. Quando são negativas, as crenças são como um vírus, uma rede de germes mentais que contraímos ao longo de nossas passagens na terra e permanecem em nossos arquivos dos corpos mental e extra-físico. Ao mesmo tempo, algumas crenças podem até salvar nossa vida. Um exemplo simples é a crença de que um leão ou um tubarão podem nos matar, é fundamental para nos tirar de uma situação de perigo, caso nos dermos de cara com um deles por aí. Do mesmo modo como a crença de que se atravessarmos uma avenida sem olhar para os lados, corremos o risco de sermos pego por um carro. E nesse caso, podemos indagar: “mas isso não é uma crença, e sim uma realidade!” Na verdade, apesar de realidade, isso também é uma crença. Vamos entender o porquê: Existem crenças que devemos adotar porque fazem total sentido, uma vez que nos ajudam a formar uma identidade positiva e de sobrevivência. Nosso papel é VIGIAR constantemente nossas AÇÕES no cotidiano, com o objetivo de eliminar as crenças que nos são PREJUDICIAIS. O essencial é identificá-las e, depois ter a disposição de mudá-las. É o passo mais trabalhoso e, por consequência, o mais gratificante, porque é nesse processo que realmente evoluímos. Os Julgamentos e as Crenças Vamos a uma historinha: “ Certo dia, João foi ao médico. Enquanto esperava ser atendido, entrou na sala, um pai com 3 filhos bastante agitados e bagunceiros. -João pensou: - Nossa, que meninos espoletas... esse pai não tem autoridade? Não dá o mínimo de educação a eles! Indignado, chegou até o pai e disse: - Amigo, você não dá educação a seus filhos?! Olha como eles estão incomodando a todos!! O pai, cabisbaixo, respondeu: - Sabe o que é moço. É que minha mulher faleceu há uma hora e eu estou sem condições de controlá-los, me perdoe... João acabou pedindo desculpas e ficou sem palavras...” Veja que João prejulgou o pai baseado na crença de que o mesmo não tinha controle sobre os filhos. E a realidade, era que ele estava muito abalado psicologicamente, para poder exercer qualquer autoridade sobre as crianças, naquelas circunstâncias. Nós geralmente julgamos baseados em nossas crenças e, muitas vezes, isso não é construtivo para nós mesmos, nem muito menos para os outros. Por isso, independente da situação, escolher não julgarmos, é uma questão até de ética e sabedoria. O Governo Oculto e a Formação das Crenças A coisa mais agravante, nem é exatamente o fato de que julgamos baseados em nossas crenças, mas sim o fato de que um considerável e impressionante número de crenças negativas, foram plantadas coletivamente em nossa mentalidade ao longo da História, por um poder oculto que rege nosso mundo, por trás das cortinas dos governos oficialmente conhecidos pelas massas: o Governo Oculto. Essas crenças foram cientificamente inseridas em nossas mentes, por meio de várias tecnologias desconhecidas à maior parte da humanidade. Tudo isso pode ser provado, embora não seja o tema principal desta apostila. Um exemplo típico disso, é a crença da maioria das pessoas, de que não existe o suficiente para si ou para todos no mundo, em vários aspectos da vida: Em prosperidade, riqueza, amor, saúde, felicidade... em se tratando de Projeto Portal, pode ser a crença de que não há suficiente para todos: tempo de conversação com os parceiros, compromissos, dons paranormais, atenção do Urandir, dons paranormais ou “posições/títulos especiais”, etc, etc.. Algumas pessoas também acreditam, de forma inconsciente, que as habilidades que têm são de sua exclusividade. O que também não deixa de ser uma crença negativa, que apenas serve para alimentar o ego. No fundo, ela tenta preencher um vazio existencial com alguma habilidade, que possa ter saído na foto do campo eletromagnético. Se o outro desenvolver habilidade para cura, ver aura, ser representante de alguma coisa, ou ter determinada responsabilidade, elas pensam: “mas porque essa pessoa e não eu?” . Isso prova que manifestam a crença de que não existe (algo) suficiente para todos. Se você pensa assim, ainda é alguém totalmente manipulado/a grandemente pelo Governo Oculto, pelas crenças negativas baseadas nas leis do medo e escassez. Esse conceito de que o Universo é limitado, é uma criação da mente humana, mas que foi condicionada para o controle de nosso potencial, em criar exatamente o contrário da pobreza e limitação a que fomos condicionados a crer e que ainda que prevaleça no mundo. A prova disso está exatamente na realidade que essa crença coletiva materializou como nosso mundo hoje. Mas a verdade é que o Universo como concebemos, por si só é um lugar potencialmente abundante. A fonte de tudo o que desejarmos é inesgotável em qualquer aspecto de nossas vidas. Mas isso só se concretizará se ESSA se tornar a nossa crença. Uma outra crença que foi inserida na mentalidade das massas, é a de que nós somos seres totalmente passivos neste mundo, suscetíveis às mudanças que ocorrem em nossa vida, sem ter nenhum, ou quase nenhum poder de controle sobre nossa realidade. Essa crença nos posiciona como vítimas do mundo. Um dos maiores ensinamentos passados por nossos parceiros, é o de que nós SOMOS CO-CRIADORES DE NOSSO DESTINO. E um de nossos objetivos principais é exatamente fazer valer essa verdade, em nossa suposta última passagem aqui na Terra. O Urandir sempre diz que a transmutação, depende muito de nossa habilidade de manipular as Leis Universais, e isso só vai se realizar quando, primordialmente, nós ACREDITARMOS QUE PODEMOS. A partir desse primeiro importante degrau de partida, os outros passos serão dados com muito treinamento. Dessa forma e, somente desta forma, podemos assumir a postura de co-criadores que somos. Tudo será passado por nossos parceiros, muitas vezes até sem o intermédio do Urandir, como já está acontecendo. Tal como ativações e informações. Por causa de nossas crenças, também acontece de interpretarmos de forma equivocada, as informações passadas pelos nossos parceiros e vivemos alimentando constantemente nossos egos em função disso. Um bom exemplo desse fato dentro do PP seria: se aqueles que recebem certos “títulos”, como de representantes de nossos parceiros, ou de divindades, ou do que fosse, não se dessem ao trabalho de pesquisar e entender exatamente o que tal nomeação significasse, ou o que deveriam estar fazendo com essa informação ou “nova posição” dentro do grupo, em benefício de todos. Nesse caso, algo que deveria ser uma oportunidade de desenvolvimento e evolução, viraria apenas um grande lustre nos egos, de quem é melhor, ou mais especial, ou pode mais, ou sabe mais, etc., sendo que na verdade, isso deveria ser visto como uma responsabilidade, seja para desenvolver dons respectivamente ligados a essa nova “posição”, ou tomar certas posturas, mas tudo com o objetivo de ajudar o grupo. Formação das Crenças Segundo a Ciência Se tudo começa pela INFORMAÇÃO, vamos entender como ela é absorvida por nós: A cada segundo nosso cérebro recebe cerca de 2 milhões de Unidades de Informação. 2 milhões de bits. Entretanto, nós só conseguimos processar um número insignificante dessas informações: = 134. É isso mesmo! Apenas 134 de 2 milhões! Ou seja, perdemos 1 milhão 999 mil 866 Unidades de Informação/ Bits. A pergunta que devemos fazer é : Quem escolhe o que eu estou recebendo ou não?! Qual parte dos 2 milhões por segundo eu vou absorver então como as 134 unidades ?? São as nossas crenças que farão esse papel de filtrar. São as coisas nas quais acreditamos ou não acreditamos. Num filme ou novela, quem é que decide o foco? Nós? Claro que não. É por isso que provavelmente somos manipulados pelas informações que ali passam. Vamos a um exemplo: Se uma pessoa pede para que você procure uma camisa num guarda-roupas. Ela te dá todas as indicações necessárias para achar a camisa. Então, você vai ao guarda-roupas e não acha a camisa. Apesar de a camisa estar lá , você não a vê. Já aconteceu isso com você? E se você soubesse que o fato de não ter visto a camisa no guarda-roupas, pode ser atribuído a uma crença? Você entenderia? O fato de você não ter achado a camisa, pode ter sido traduzido em forma de crença, pois quando você era criança e sua mãe pediu para que você achasse algo e você não achou, ela talvez tenha tido uma reação do tipo: “ Nossa, você é um inútil mesmo, não acha nada que eu peço!”. Você pode ter absorvido isso, ficando com a informação: “ É mesmo, eu sou um inútil e não acho nada”. Logo, quando uma pessoa pede para você achar algo que está logo ali em sua frente, você pode acabar não vendo mesmo.. e não é que você esteja com alguma deficiência, mas sim porque essa crença existente em seu subconsciente, não lhe permitiu ver. Em nosso Sistema Nervoso existe o Sistema Reticular Ativador Ascendente (S.R.A.A), que tem o chamado “filtro da deleção” exercendo algumas funções, mas a principal é a de filtrar o que passa e o que não passa à nossa mente. E o que será que passa? As coisas nas quais acreditamos! Contudo, esse não é o maior problema. O maior, aparece quando nós passamos por oportunidades em nossa vida e não as vemos, por causa desse nosso sistema de crenças limitantes. A pior crença que é colocada sistematicamente pelo G.O em nossas mentes, passada através da mídia, das religiões e de outros meios de comunicação e manipulação em massa, é a de que nós sempre dependemos de algo exterior a nós para sermos felizes, ou para sermos auto-suficientes em buscar e alcançar nossos objetivos. Como diria um grande líder empresarial: “A pessoa, tem uma informação besta, que gera pensamentos bestas, que leva a sentimentos bestas, que levam a atitudes bestas....e vira uma besta!” Parece que no Projeto, por muitas vezes, também assumimos essa postura. Temos tanta dependência do Urandir, que ele nem consegue mais transitar no meio das pessoas. Temos tanta dependência de nossos parceiros, que ao invés de perguntarmos coisas úteis ao cumprimento de nosso compromisso e em favor da coletividade, muitas vezes preferimos insistir em querer saber sobre problemas banais e pessoais. Sequer respeitamos o direito do outro de perguntar aos parceiros na sua vez. Como diz o Bilu: Nem damos carona a nós mesmos! Falamos tanto em romper com os paradigmas, mas o maior dos paradigmas ainda não foi rompido nem entre nós mesmos. O que falta para cumprirmos o que precisamos fazer? Falta identificarmos as crenças que nos limitam e mudarmos nossa consciência de uma vez por todas, nos tornando os exemplos que nossos parceiros e o Ura têm tentado nos ensinar a ser. A maioria esmagadora da humanidade não tem sequer acesso a essas informações. Como elas vão fazer uma limpeza mental e tentar destituir-se das crenças limitantes, se nem nós o fazemos? Não vamos conseguir quebrar os maiores paradigmas da humanidade lá fora, sem ainda agimos pelas mesmas crenças que nos limitam aqui dentro do próprio PP, sem incorporar novas crenças em nossa mente. Não podemos arrumar a casa, se não conseguirmos sequer sair de nosso quarto que está de pernas pro ar. Nós temos a frequência de sacerdotes, amazonas, lilith´s, semi-deuses, cura, auto- cura, etc, etc.. Será que com toda essa potencialidade, podemos conseguir identificar essas crenças e transmutá-las em crenças positivas, mudando nossos paradigmas a tempo? A resposta está em nossas mãos, em cada um de nós. Lembre-se que se dissermos que será difícil, também será uma crença, mas é o primeiro de nossos maiores desafios: mudar a crença de dificuldade e introduzirmos em nosso cérebro que é totalmente possível. Não podemos falar de consciência para o mundo, se nem entendermos o que são crenças, nem como identificá-las, tampouco sem a disposição de mudar e enfrentar todo esse processo. Quando manifestamos determinadas crenças, estamos manifestando quem não somos de verdade. Manifestamos todos os dias vários “egos” que são formados por crenças limitantes e nos aprisionam facilmente às emoções da 3° dimensão. Grande parte das informações dos sentimentos e das atitudes que adotamos no dia a dia, foram sistematicamente colocadas na mentalidade humana com a intenção de nos limitar consciencialmente e energeticamente, para assim sermos controlados mais facilmente. Por isso é que nosso comportamento diário pode na verdade, ser considerado de esquizofrênicos! Porque constantemente manifestamos uma série de crenças criadas ao longo da história. E muito pouco que reflete o que somos realmente, ou seja, espelho de nosso Eu Superior. E como fazemos para ser quem realmente somos? Vibrando na neutralidade. É o estado de graça! O Paradigma Após tudo isso compreendido, fica claro que o que realmente conta em nossa vida não é o que acontece, mas sim sempre como reagimos ao que acontece. E para isso, vamos nos remeter a uma palavra que Urandir sempre se refere: PARADIGMA. A princípio, o paradigma parece ter exatamente a mesma definição de crença. Na verdade, são praticamente sinônimos, porém o paradigma é algo mais profundo. O PARADIGMA é o modo como percebemos o mundo. É a “água para o peixe”. O paradigma nos explica como vivemos “dentro de uma caixa” e como somos bem sucedidos dentro dos limites dela. Por ex.: para uma pessoa do sexo masculino tirar a camisa numa piscina, não tem problema algum em mostrar o peito. Mas para a pessoa do sexo feminino é diferente. Então qual é a diferença ou o problema? Se formos à floresta amazônica e uma índia está sem vestimentas, mostrando seus seios, ela nem sabe o que isso significa para nossos padrões morais. Isso é a diferença entre os dois paradigmas, o dos índios e o nosso. No paradigma em que vivemos, não é aceitável acontecer isso. É puramente uma questão de paradigma. Se você pegar um peixe que nunca saiu da água, ele não sabe o que é não estar na água. Porque ele sempre viveu na água. Não existe nada além disso pra ele. Esse é o paradigma dele. E é importante entendermos que vivemos em função de nossos paradigmas. Thomas Kuhn, que foi professor da Universidade Harvard, fez um estudo sobre os últimos 400 anos da Ciência. Ele demonstrou que os próprios cientistas vivem sob paradigmas. E quando um cientista descobre um dado que não se encaixa em seu paradigma, ele tem duas reações: ou é incapaz de interpretar esse dado, ou ele manipula o mesmo para encaixá-lo em seu paradigma. Um bom exemplo é o da teoria Darwinista de nossa evolução. Portanto, a Ciência nada mais é, do que uma expressão de paradigmas. Esse é o motivo pelo qual ela também é manipulada pelo G.O. . Por isso é que nossos parceiros nos pediram para usarmos o termo “Ciências Paralelas”, como uma extensão dos limites da ciência tradicional, que foi criada e é manipulada pelo Governo Oculto. E quando temos o surgimento de um novo paradigma, (uma nova “verdade”), ele passa por 3 estágios: “ Primeiro, é ridicularizado. Segundo, é violentamente combatido. E terceiro, torna-se evidente por si mesmo.” ( Arthur Schopenhauer) Entretanto, muitas pessoas acham que romper um Paradigma – muito falado em nossas apostilas básicas - é o simples fato de passar a acreditar em seres extraterrestres, ou em paranormalidade. Ou mesmo em 2012. Quando na verdade, esses são os paradigmas mais fáceis de serem aceitos hoje em dia. Os paradigmas que nos desafiam com mais intensidade são os paradigmas pessoais. Os que permitem ou não a transformação pessoal. Vamos esclarecer isso. Albert Einstein nunca falou de paradigmas claramente, mas existe uma frase dele, na qual podemos entender como se faz necessário mudar, evoluir, sempre: “Os problemas não podem ser resolvidos pelo mesmo nível de pensamento em que foram criados.” Ex.: “Não podemos resolver o problema da violência, combatendo com violência.” O fato é que nossas crenças e paradigmas quando unidos, formam a estrutura complexa e desafiante que é o nosso EGO, nosso segundo maior desafio e tema do próximo módulo.

2 comentários:

Dayane Medeiros disse...

Belo texto Charles, veio em ótima hora

Dayane Medeiros disse...

Belo texto Charles, veio em ótima hora!