segunda-feira, 21 de junho de 2010

Qual diferencia entre Astral e Mental

Qual a diferença entre o astral e o mental e porque essa questão sempre causa grande polêmica?

A diferença é simples: quando atuamos com o mental somos nós que temos que direcionar a energia (nossa própria), já o astral nos dá tudo pronto, não é a energia da pessoa quem atua e, portanto, é muito mais lento.

Todos nós podemos trabalhar com a energia vibracional que é desenvolvida através dos estímulos emocionais e sexuais. Essa energia neutraliza o nosso chakra coronário, tornando-nos geradores de nossa própria energia. Com essa energia ativada tudo acontece mais rapidamente, acelerando as nossas freqüências.

Uma vez desenvolvida essa energia, devemos mantê-la ativada usando-a no auxílio a outras pessoas, energizando e estabilizando o campo vibracional.

Como a energia do planeta é mais negativa do que positiva, devemos sempre fechar nossos chackras para não absorvê-las. Fechar os chacras não significa deixar de evoluir, é somente uma proteção.

Quando se fecha o chacra do plexo solar, a pessoa estará mentalizando o coronário, impedindo a absorção da negatividade do Cosmos e sendo a geradora de sua própria energia, dependendo apenas de si mesma.

Os Seres querem que sejamos auto-suficientes e caminhemos com nossas próprias pernas, não dependendo de nenhuma outra interferência energética.

Isso é evolução vibracional, evolução mental. “É o que Jesus ensinou e depois foi distorcido: o conhecimento de transmutar o corpo em energia.”

Seres de luz operam em freqüências mentais elevadas e, para nos aproximar, até para um contato mental, temos que estar num padrão similar ao deles, caso contrário não haverá contato.

Como se consegue isso? Acelerando nossos corpos e nossa freqüência mental e mantendo nossa vibração elevada.

Somente quando nossa mente está acima de 27 ciclos por segundo é que podemos obter informações dos seres extraterrestres e de seres de luz porque eles operam em faixas superiores.

E como se faz a aceleração? Por meio de exercícios físicos, alimentação saudável e exercícios que auxiliam na expansão da mente.

Seres de pouca luz não conseguem perceber a freqüência elevada, apenas vêem a luz e, normalmente, se afastam.

O astral é muito bom quando iniciamos nossos estudos, é o primeiro passo para chegarmos ao mental, por isso ele é importante.

Mas em um determinado tempo, o astral se torna perigoso porque nos torna vulneráveis aos seres de pouca luz e baixa freqüência vibratória, interferindo em nossa energia.

Quando atuamos no astral é porque baixamos nossas freqüências e estamos assim muito mais sujeitos a padrões vibratórios que podem ser fantasiosos ou até enganadores. Ficamos propensos a doenças, a toda sorte de problemas.

Se aumentarmos nossas freqüências e nos mantivermos em equilíbrio, temos muito mais condições de enfrentar situações adversas porque podemos vibrar no positivo..

Nosso padrão vibratório é classificado em três categorias:

1 – Positivo – aquela pessoa que alcançou o elevado nível vibracional e já se conscientizou de quem ela é e o que precisa fazer na sua passagem pela Terra, para alcançar a vibração da luz. São pessoas extremamente otimistas, ousadas, destemidas, sabem o que querem, não se deixam influenciar por pessoas ou pensamentos negativos, não recuam diante de problemas, por mais difíceis que sejam, enfim, caminham com suas próprias pernas.

2 – Neutro – significa que a pessoa é insegura, insatisfeita, temerosa, não tem opinião própria, pessimista, é facilmente influenciável, foge às responsabilidades, não enfrenta a vida, se faz de vítima, se passa por incapaz, enfim cruza os braços esperando que alguém faça alguma coisa por ela.

3 – Negativo – a pessoa é extremamente materialista, fria, calculista, articuladora, manipuladora, egoísta, possui má índole, faz qualquer coisa para alcançar seu desejo, independente se vai prejudicar alguém.

Como podemos perceber, oscilamos diariamente entre o positivo, o neutro e o negativo.

Para conseguir o equilíbrio vibracional, somente pensando positivo, acelerando a mente, trabalhando o mental e equilíbrio emocional.

Quando usamos o mental, podemos nos curar de doenças. Quantas vezes ouvimos falar que a fé curou tal pessoa? Na verdade, essa pessoa pensou positivo, mentalizou sua cura e viu-se curada.

Usando o mental conseguimos sair mais facilmente de situações difíceis e adversas. A própria ciência já estuda essa questão: a cura pelo pensamento.

Se a pessoa atuar no astral, essa cura também poderá vir. Porém irá demorar muito tempo mais do que se a pessoa utilizar-se do mental. O trabalho pelo astral é lento e sujeito a fantasias que podem induzir ao erro ou à ilusão. Já pelo mental não há erro, há direcionamento.

Pessoas que não participam do Projeto Portal já vem atuando no mental e sequer se dão conta disso, mas conseguem sucesso em suas vidas e enfrentam os problemas com tranqüilidade e discernimento, sem se deixar afetar por estas questões.

Quando estamos com o nosso campo vibracional aberto e a mente confusa, vários seres de baixa vibração podem se passar por seres evoluídos.

O ser de baixa luz aproveita o momento de fraqueza da pessoa e tenta satisfazê-la dizendo coisas do dia a dia, se passando por um ser de luz. Esse ser toma conta de sua mente e a manipula, fazendo a chamada "canalização”.
Os de baixa vibração só se aproximam, ou seja, conseguem caminho aberto, quando há uma identificação de energias ou vibração, do canal ou médium com o espírito. Por isso é um assunto complexo, se a pessoa que canaliza tem bons sentimentos, boa índole, esse canal só vai dar passagem para espíritos elevados.

Porém qual a garantia que se tem disso? Por mais que se conheça a pessoa, nunca podemos esquecer que estamos encarnados na terceira dimensão e por isso mesmo sujeitos às emoções e sentimentos menos nobres dessa etapa de vida. São poucos, muito poucos os que podem nos dar essa garantia.

A "cobrança" dos que estão lá de cima observando, para as pessoas que são médiuns, é muito maior, porque por ela ter esse canal, quer queira ou não, aberto 24 horas por dia, o controle dos seus pensamentos, sentimentos e atos tem que ser muito grande.

Vemos ainda muitas pessoas consultando entidades espirituais que vibram em freqüência inferior e assim sem acesso à informações verdadeiramente úteis para nós nesse momento de transição planetária.

Devemos cuidar também das visualizações que acontecem nas outras dimensões, nas canalizações etc., visto que podemos estar sendo enganados por entidades que não querem que tenhamos acesso à determinadas informações e assim, nos levando a um outro caminho e não o caminho que os Seres gostariam que seguíssemos para o cumprimento da nossa missão.

O Plano astral é um plano onde estão guardadas as nossas vibrações mais grosseiras, o nosso corpo astral literalmente é o corpo do desejo, de nossas emoções.

Não confundir desejo com vontade, nem emoções grosseiras com sentimentos nobres. Por se depositar nele nossas emoções e desejos, temos no astral todas as imperfeições humanas.

Ao deixar o seu corpo físico, o "espírito", que agora está vibrando no astral (inferior), mostra que interage com uma freqüência ainda mais baixa (densa) do que aquela que o envolvia quando estava ligado a um corpo físico, ligado à terceira dimensão.

Os "vivos" estão associados com a energia vibracional ativa e os "mortos do astral inferior" precisam dessa energia vibracional dos "vivos".

Os "vivos", mesmo aqueles que são considerados perversos, não precisam dos que estão vibrando no astral (inferior), porque estão vibrando em uma freqüência superior.

Um ser humano tem o seu corpo físico, o seu corpo espiritual e a sua energia vibracional ativa e, portanto, ele está "inteiro". Um "morto", vibrando no astral (inferior) está sem o seu corpo físico e, portanto, vibracionalmente ele está pela "metade".

Quando o indivíduo está com dúvidas, é quando ele mais se liga ao astral, porque vai procurar ajuda. É nestes momentos que ele sempre achará formas astrais que vão saciar o seu "ego", agindo de acordo com o que ele quer saber e com o que ele quer ouvir.

Nestas situações ele deve ter objetividade e não deixar que o astral, através do seu emocional predomine em relação à sua freqüência mental.

A influência astral pode durar no indivíduo de três a sete meses, dependendo da sintonia que ele tenha com esta freqüência.

O indivíduo influenciado pelo emocional, sintonizado na freqüência astral, é menos seguro, porque a segurança que ele procura e necessita é mais física, é mental.

As pessoas que trabalham com este plano devem tomar todo cuidado necessário para não se enganarem, pois quase tudo no astral é falso.

Para se ter uma idéia do perigo, uma pessoa que incorpora um espírito, NUNCA irá incorporar um espírito mais evoluído que si mesmo, normalmente é menos evoluído, pois o álcool, o fumo etc., neste momento, baixam ainda mais a vibração do médium.

Isto é bem fácil de entender, pois um ser superior a nós, com uma freqüência vibracional maior que a nossa, não encontra compatibilidade para aportar. Uma energia muito evoluída e acelerada pode provocar danos irreversíveis aos nossos corpos sutis ao tentar se "acoplar".

Seres evoluídos jamais se utilizam deste método para se comunicarem.

Levando ainda em consideração que nesta forma de contato, temos um processo anímico que provoca uma interferência de no mínimo 10%, mas sabe-se que esta interferência é bem maior, conforme o tamanho do ego do médium incorporador.

Segundo os Seres que mantemos contato (físico) esse tipo de contato, cerca de 20% é verdadeiro o resto é falso, pois os Seres negativos do plano astral operam neste nível de freqüência que são de ciclos muito baixos.

Os Seres de luz também mantiveram alguns contatos nessa mesma freqüência no passado, pois a vibração planetária não permitia um contato físico com é feito hoje em dia, nossos corpos não agüentavam a vibração elevada dos seres de Luz, muito superior a nossa (raras pessoas tinham este contato físico), até a década de 70.

Com a implantação do GNA, houve uma aceleração da nossa vibração e com isso cada vez mais está mais fácil um contato físico.

Por isso a diferença, não é errado, só está ultrapassado, estamos num outro degrau de vibração, continuar na vibração do astral é como se não quiséssemos passar para um novo "ano escolar", estaríamos sempre no mesmo degrau evolutivo.

Qualquer tipo de contato nesse nível (astral) os Seres negativos atuam com mais intensidade nessa freqüência, com isso conseguem confundir a mente das pessoas com falsas mensagens para que não consigam despertar.

Por isso muito cuidado com as canalizações, psicografias e telepatias, pois você não sabe quem pode estar te mandando a mensagem, até pela energia eles podem te confundir.

A orientação dos Seres de luz foi a seguinte: "vocês vivem em um mundo físico, então aguarde por um contato físico nosso, que quando for necessário nós faremos o contato".

Nós temos o direito aos contatos físicos. Temos que ter o auto controle, o preparo, o coração puro e a mente acelerada para termos o contato olho no olho com os seres.

O trabalho desenvolvido no Projeto Portal é em nível mental.

Se o indivíduo interagir com uma outra freqüência usando o seu chacra frontal, ele sofrerá uma interferência energética, porque o seu frontal já está vibrando normalmente na freqüência/mental, com a energia vibracional ativa.

Entretanto, quando ele entra na "freqüência espiritual" não é ruim, porque fica tranqüilo e esta tranqüilidade ele passa para as pessoas que estão em sua volta.

Mas ele não deve deixar que essa freqüência interfira com a sua freqüência mental, principalmente dentro de um trabalho que envolva o seu chacra frontal. Portanto, é importante que o indivíduo tenha equilíbrio mental/ espiritual. Este equilíbrio é necessário.

"O PROJETO PORTAL É EVOLUÇÃO MENTAL", pois quando se trata de um exercício prático não é necessário nenhum tipo de oração nem meditação especial. É atividade direcionada e espontânea, de coração. Aceleração é alegria. é amor!!

Por isso cuidado para as pessoas que usam a canalização como um meio de falar com seres. Pés no chão, porque caso contrário as conseqüências podem ser desagradáveis.

Como todos nós já sabemos e já ouvimos tantas e tantas vezes o Urandir mencionar, precisamos sempre e o mais rápido possível acelerar nossa freqüência cerebral para estarmos sempre em sintonia com os Seres e também para que o Cinturão de Fótons não nos prejudique, mas sim nos auxilie com sua vibração de luz Crística em alta freqüência.

Não é que os plano astral seja desmerecido. A questão é que precisamos elevar nossas freqüências, nossos nível mentais a no mínimo 27 ciclos por segundo, que nos protege das ações de seres negativos e do cinturão de fótons. E para atuar no astral é preciso estar com essas freqüências baixas.

Cada um de nós está num patamar, temos vários degraus, vários estágios. Precisamos ter conhecimento dos dois lados mas não ser envolvido, é só para aprender.

Você pode voltar ao astral só para ajudar alguém, uma pessoa, mas não se deixe levar, se influenciar, pois não traz acréscimo nenhum na terceira dimensão.

A parte espiritual não consegue mais nos ajudar (pois só vai até o padrão de 14 ciclos por segundo) e quando a pessoa está abaixo deste nível, ela até consegue uma melhora, mas quando ela ultrapassa os 14, ela já não tem mais necessidade deste tipo de energia, já não pode mais ser ajudada pelo astral em sua caminhada pois temos que passar para o degrau seguinte: O MENTAL !

Temos que desenvolver os dois lados, o astral e o mental, para nos tornar completos. Os dois lados são importantes e tem que estar em equilíbrio.

Precisamos fazer nossa escolha para o uso do Mental e deixarmos de lado o Astral que, como vimos, não teve muito sucesso durante tanto tempo de atuação no nosso planeta Terra, ou seja, não conseguiu melhorar as condições do planeta, ajudou apenas em casos isolados e não nos traz respostas satisfatórias às várias duvidas que temos sobre a nossa verdadeira origem e destino.

O indivíduo que está vibrando na freqüência mental, quando volta para a freqüência astral, atrapalha a sua vida material/emocional com repercussões até para o seu corpo físico, quando começa a ter enxaqueca, dor de cabeça e, ainda, medo, timidez, insônia e todas as outras formas de bloqueios e de perturbações psicossomáticas.

Uma destas situações de desarmonia gerada no astral é quando a pessoa tem uma intensa vontade de ver alguma coisa, de ver algum fenômeno e, como isso não acontece, a força do seu pensamento cria emocionalmente, através de sua mente, aquilo que ela imagina (formas-pensamento).

Portanto, nosso futuro depende da nossa própria escolha agora, ou continuamos com o pouco eficaz e perigoso astral ou nos dedicamos à nossa verdadeira condição de
Dimensionais usando nossas próprias capacidades, nossa conexão com o Eu Superior e manipulação das energias vibracionais.

É como se o plano mental possuísse um CERTIFICADO ISO 9001 DE SEGURANÇA QUE A COMUNICAÇAO COM OS SERES É MAIS CONFIAVEL.

O dimensional deve interagir diretamente com o seu Eu Superior. Ele não precisa de intermediários.

Ele deve vibrar com mais confiança em relação à sua verdade divina, com um desejar mais profundo.

RESUMINDO:

O Astral: alguém faz por você e você tem apenas um ângulo de visão.
O Mental: trabalho missionário, a missão, você tem um ângulo de visão de 360 graus.


Se você quiser desenvolver mais o espiritual: Não coma carne
Se você quer o equilíbrio: Independe
Se você quer desenvolver mais o Mental: Pode Comer carne Vermelha eventualmente, é o mais aconselhável, pois acelera o metabolismo.

Entidades Espirituais: pessoas que já morreram e o espírito fica vagando, esperando uma chance, no dia do julgamento (Astral Inferior).

Seres Inferiores : Sua mão fica quente (obsessores)

Seres superiores : São Seres que já transmutaram, transformaram seus corpos em luz, ressuscitaram, como Enoc, Moisés, J.C. Ashtar Sheran.

Seres espirituais : Sua mão fica gelada

Não há evolução no plano espiritual pois se fosse assim, os obsessores também teriam evoluído. Ocorre um estacionamento, e há pessoas aqui da terra para doutrinar estas pessoas. No Astral Superior, estão aqueles que já aguardam a hora de ir, já estão classificados num plano divino.

2 comentários:

Solange disse...

Oi Charles! Que bom ver a atualização do blog. Muito boa a matéria, certamente muitos que estão chegando ao PP têm dúvidas sobre essa diferenciação de trabalhar o mental e não o astral. Um abraço da Sol (PP Brasília).

Gameleira disse...

Eu sou médium e, nos trabalhos que desenvolvo também faço uso do fenômeno da psicofonia. Devo concordar que o animismo é o maior desafio para o trabalho mediúnico. Entretanto, não creio que o trabalho com o astral seja tão prejudicial ou perigoso quanto o que fora dito neste comentário. Afirmo isto porque tenho apenas dois meses de Projeto Portal e já cheguei com os três asteríscos circundados na descendência, nível de toxina a 18% (a qual está atualmente em 17%) e a energia de transmutação está em 27. Nesta perspectiva, acredito que o Astral não me causou tantos problemas quanto o imaginável.
Por outro lado, riscos nós temos em qualquer atividade realizada no mundo dual no qual vivemos. Se existem entidades malignas no Astral o GO também pode representar perigo para os dimensionais...
Abraço e Vibração!